segunda-feira, 12 de maio de 2014

CAMINHOS

O que é um caminho? Hoje quando ia trabalhar, me dei conta de que saí de casa, cheguei no local de trabalho e sequer pensei no que estava fazendo. Desde que sai pelo portão até o momento em que parei em frente à escola vinha pensando a respeito da vida. O caminho que percorri com meu corpo não foi o mesmo que percorri com minha mente. Provavelmente muitos de nós já fizemos isto. Mas, o que mais chamou atenção foi perceber que assim como meu corpo percorre automaticamente uma série de caminhos diariamente, o meu pensamento também percorre.


A partir disso lembrei de uma série de informações sobre caminho. Uma delas, bastante antiga, é de um amigo que diz que numa longa caminhada, quando se está sozinho, o maior desafio é conviver consigo mesmo. Que interessante, quando ele diz da convivência consigo mesmo, ele está falando de que? Não sei, dentro de algumas milhares de possibilidades podemos dizer que seria conviver com seu pensamento. Por mais que tenhamos dificuldades de convivência com o corpo, por meios artificiais se pode resolver ou melhorar. Já para o pensamento, mesmo com medicações de última geração, algumas pessoas não se agüentam, não se suportam, por isso evitam ficar sozinhas.

Outra informação que acessei foi o significado de caminho. Para os que gostam de caminhar pode significar trilha, para os espiritualizados pode ser senda, para os antigos um carreiro. O caminho pode ser considerado um trajeto que se percorre para sair de onde se está e chegar a algum outro lugar. Durante o percurso do caminho é necessário que se faça uso de algumas ferramentas. Se o caminho for físico, o deslocamento precisará ser físico, se for da fé, pode ser espiritual, mas e se for do pensamento, quais as ferramentas para percorrê-lo? 

Nosso pensamento, assim como nosso corpo, precisa percorrer certos caminhos para sair de onde está e chegar a outro lugar. Também como o corpo, dependendo dos recursos que usamos chegaremos mais rápido ou devagar e dependendo da ferramenta, nem chegaremos a nosso destino. Diferente do corpo, os recursos do pensamento não podem ser vistos, ao menos não em seu processo. Então, como posso saber quais os recursos que uso para pensar? São bons recursos? Chego aonde desejava chegar ou fico caminhando em círculos no pensamento?

Um exemplo para mostrar os caminhos do pensamento: um menino chega à escola, vê a menina que gosta, fica vermelho e sai em direção à sua mesa onde permanece calado. Isso foi o que os colegas viram, mas o processo do pensamento foi: sentiu uma vontade grande de falar o quanto gosta da menina, ficou reticente porque se acha feio e acha que a menina não gosta dele, sente calor e fica envergonhado, achou melhor ficar quieto para não dar a entender para a turma que gosta da menina. Veja que o pensamento começa pelas emoções, passa pelo que acha de si mesmo, caminha pelas sensações e acaba por se bloquear quando pensa no que os outros podem dizer dele. Para este caso, se o menino percorrer os mesmos caminhos todas as vezes é muito provável que em todas as vezes o resultado de suas atitudes seja a mesma.

Neste caso e só neste caso é o pensamento que determina as ações, em muitos outros casos são as ações que determinam os pensamentos. Na vida, se soubermos seguir os caminhos do pensamento saberemos onde vamos chegar quando começamos a pensar.
Por: Rosemiro A. Sefstrom Do site: http://rosemirosefstrom.blogspot.com.br/
Postar um comentário