sexta-feira, 26 de abril de 2013

CASCAIS

República Portuguesa, ou apenas Portugal como conhecemos é um país soberano localizado no sudoeste da Europa, na Península Ibérica e em arquipélagos no atlântico norte. Com área total de 92.090 km quadrados, fazendo limite com a Espanha ao norte e leste e ao sul e oeste com oceano atlântico. Parte do território fica no continente e parte nos arquipélagos de Açores e Madeira. A parte continental é dividida pelo seu principal rio o Tejo. Ao norte a paisagem é montanhosa com planaltos intercalados por áreas mais planas que permitem o desenvolvimento da agricultura. Ao sul, até Algarve, o relevo é caracterizado por planícies. Outros rios principais são o Douro, o Minho e Guadiana, que tal como o Tejo, nascem na Espanha. Entre os rios que tem todo o seu percurso em território Português temos o Vouga, o Sado e o maior deles, o Mondengo, que nasce na serra da estrela, a montanha mais alta de Portugal Continental com 1993 metros de altura máxima e a segunda mais alta de Portugal, apenas atrás da montanha de Pico , nos Açores com 2.351 metros de altura. O queijo da serra da estrela, considerado o imperador dos queijos é produzido nesta região. 


A costa portuguesa é extensa, com 1230 km apenas no continente com belas praias, variando entre falésias e areais. 

Portugal tem um clima mediterrânico com temperatura média anual que varia de 13 graus no interior montanhoso até 18 graus no sul mais plano. O outono e inverno são tipicamente ventosos, chuvosos e frescos. A Primavera e verão são ensolarados e as temperaturas são altas durante os meses secos de julho a agosto, podendo ocasionalmente chegar a 40 graus

O nome Portugal provém de sua segunda maior cidade, cujo nome latino é Portus Cale, mas há quem afirme que deriva de Portogatelo, nome dado por um chefe oriundo da Grécia (Também diz-se ser Egípcio) chamado Catelo, ao desembarcar e se estabelecer junto do atual Porto. 

A primeira vez que o nome Portugal aparece é em uma carta de doação da Igreja de São Bartolomeu de Campelo por D. Afonso Henriques em 1129. 

O território nas fronteiras atuais da República Portuguesa tem sido povoado continuamente desde os tempos pré-históricos: ocupado por celtas, gálicos e os lusitanos. Foi parte integrante da República Romana e mais tarde colonizado por povos germânicos, como os suevos e visigodos. No século VIII as terras foram conquistadas pelos mouros e reconquistadas pelos cristãos, quando foi formado o Condado Portucalense, inicialmente como parte da Galícia e depois integrado no Reino de Leão. O estabelecimento do Reino de Portugal em 1139, cuja independência foi reconhecida em 1143 e a estabilização das fronteiras em 1249, tornou Portugal o mais antigo Estado-Nação da Europa. 

Nos séculos XV e XVII como resultados do pioneirismo na era dos descobrimentos, Portugal expandiu a influência ocidental e estabeleceu um império que incluía possessões na África, Ásia, Oceania e América do Sul, tornando-se a potência econômica, política e militar mais importante do mundo, no período citado. 

Foi assim, o primeiro império global da história e também o mais duradouro dos impérios coloniais europeus, abrangendo 600 anos de existência, desde a conquista de Ceuta no estreito de Gibraltar, em 1415 até a transferência da soberania de Macau para a China em 1999. Não obstante sua importância internacional tenha sofrido redução durante o século XIX, especialmente após a independência do Brasil, sua maior colônia. 

Após a revolução de 1910, a monarquia foi deposta e iniciada a primeira República Portuguesa, cuja instabilidade culminou com a instauração de um regime autoritário, o Estado Novo. A democracia representativa foi instaurada após a revolução dos Cravos, em 1974. Nesta oportunidade suas províncias ultramarinas tornaram-se independentes, sendo as mais importantes, Angola e Moçambique. 

Portugal é atualmente um país desenvolvido com índice de desenvolvimento humano (IDH) considerado elevado, sendo classificado na décima nona posição em qualidade de vida. Possui um dos melhores sistemas de saúde e uma das nações mais globalizadas e pacíficas do mundo. É membro fundador da Organização das Nações Unidas (ONU) e da União Europeia dentre outros. 

A língua oficial da República Portuguesa é o português, adotado em 1290 por decreto do rei D. Dinis. Com mais de 210 milhões de falantes nativos, o português é a quinta língua mais falada no mundo e a terceira mais falada no mundo ocidental. É o idioma oficial de Portugal, Brasil, Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe, e idioma oficial com outros idiomas também oficiais em Timor-Leste, Macau e na Guiné-Equatorial, sendo também falada na Índia. 

A língua portuguesa é uma língua romântica (do grupo ibero-romântico), tal como o castelhano, catalão, italiano, francês, romeno, reto-romanche (Suiça) dentre outros. 

Conhecida como “a língua de Camões”, autor de Os Lusíadas, a última flor de Lácio, expressão usada no soneto Língua Portuguesa de Olavo Bilac ou ainda a doce língua por Miguel de Cervantes. 

As principais cidades de Portugal são: Lisboa sua capital, Porto, Braga, Chaves, Coimbra, Guimarães, Évora, Setúbal dentre outras. 

Na grande Lisboa com seus 3 milhões de habitantes encontramos Cascaes, local este em que um grupo de filósofos clínicos vão se hospedar e farão a semana de estudos, entre os dias 26 de abril e 05 de maio, liderados pelo professor Lúcio Packter. 

Cascais é uma vila portuguesa no Distrito de Lisboa, região de Lisboa e sub-região da Grande Lisboa com cerca de 35 mil habitantes. Situada a poucos quilômetros da foz do rio Tejo, entre a baia de cascais e a majestosa serra de Sintra. 

Cascais foi em épocas passadas um elegante retiro de verão da monarquia portuguesa e um porto seguro para a realeza europeia durante a segunda guerra mundial, pelo estatuto de neutralidade do país. A cidade modificou-se para se tornar um refinado polo de cultura, com vibrante vida noturna e qualidade de vida invejável. 

O esplendor e os ícones do seu apogeu marítimo mantem-se até os dias atuais através dos faróis, fortalezas e a cidadela do século XVII. 

O Largo de Camões no centro histórico é uma das zonas favoritas dos habitantes locais e dos turistas. O seu ambiente animado, criado pelos inúmeros bares e restaurantes, transforma a praça num local encantador, um lugar especial para sair à noite. Há também pequenos centros comerciais, e as famosas feiras de Cascais são excelentes oportunidades para adquirir peças de artesanato e boas pechinchas. 

Saindo do centro em direção à costa, com um pouco de sorte, pode-se encontrar pescadores costurando suas redes ao lado dos seus barcos coloridos, na Praia dos Pescadores. Em contraste com esta cena quase bucólica fica a vizinha Marina, um cenário moderno e sofisticado, onde podemos apreciar os iates de luxo, degustar delícias gastronômicas em restaurantes requintados ou entrar nas boutiques e bares. Cascais é também um polo de atração para os notívagos, oferecendo um leque de opções, nos acolhedores bares de jazz e discotecas da moda. 

As dunas selvagens e o mar indomável da Praia do Guincho são parte integrante do Parque Natural de Sintra-Cascais. Situada perto da exclusiva Quinta da Marinha, com o seu campo de golfe e espaços de lazer, o Guincho é a praia favorita dos surfistas e de qualquer amante de desportos aquáticos, sendo também conhecido pelos seus bares de praia, as bicicletas de aluguel e a roulote de cachorros. Monumentos, museus e todo o gênero de eventos culturais são uma constante, desde concertos de música clássica a exposições de arte, etc. 
A Vila de Cascais é desde finais do século XIX um dos destinos turísticos portugueses mais apreciados por nacionais e estrangeiros, uma vez que o visitante pode desfrutar de clima ameno das praias, das paisagens, da oferta hoteleira e gastronomia variada. 

Situada junto à costa, muito do seu patrimônio monumental relaciona-se com a defesa e a navegação. Como tal, em termos de arquitetura destacam-se os muitos fortes, situados entre a praia do Abano e São Julião da Barra (já em Oeiras) e que foram, até ao século XIX, de extrema importância para a defesa de Lisboa. Além destes, destacam-se as muitas ruínas romanas e visigóticas (vilas e necrópoles), igrejas e capelas, bem como casas senhoriais da antiga nobreza portuguesa que, a partir dos finais do século XIX, começou a utilizar esta costa como área de veraneio.

Lisboa fica a cerca de meia hora de automóvel de Cascais e do Estoril ao longo da panorâmica estrada marginal. A viagem é maravilhosa e permite a descoberta da costa do Sol, onde a beleza única de Cascais se funde com o patrimônio histórico de Lisboa. 

Viajar à Portugal é para nosso grupo uma grande oportunidade para conhecermos belos lugares, arquitetura característica e a origem da cultura dominante em nosso país. 
Por: Aloysio Tiscoski




Postar um comentário