domingo, 20 de janeiro de 2013

MINHA "FACE"

Na década de oitenta, a popularização do telefone possibilitou ao ser humano uma maior conectividade. Nos anos noventa, o telefone móvel e o computador passaram a fazer parte da vida das pessoas, tornando-as mais próximas. No fim dos anos noventa e início do século vinte e um, com a popularização da internet boa parte das pessoas teve acesso a um novo mundo: o digital. Através do mundo digital as possibilidades de comunicação se tornaram praticamente infinitas, onde uma pessoa pode instantaneamente se comunicar com uma pessoa do outro lado do mundo. 


Na carona da conectividade surgiram sites especializados em criar teias de relacionamento, as redes sociais, sendo que o primeiro a se popularizar foi o Orkut. Este site foi criado em 2004 e leva o nome de seu criador, o engenheiro Turco Orkut Büyükkökten. Nesse site as pessoas criavam contas onde disponibilizavam uma série de informações suas que eram compartilhadas com pessoas que faziam parte de sua rede de relacionamento, os amigos. Essa ferramenta rapidamente se tornou febre pelo mundo, mas realmente ficou famosa no Brasil, onde chegou a deter cinqüenta por cento de seus usuários. Na carona do Orkut surgiu o Facebook, este criado por Zuckerberg,em 2004, junto com Dustin Moskovitz e Eduardo Saverine Chris Hughes, quando eram estudantes da Universidade Harvard. O Facebook, assim como o Orkut segue a mesma linha, onde pessoas colocam seus conteúdos, os quais são compartilhados com os amigos.

Com a criação desses sites, abriu-se a possibilidade de um novo modo de se expressar e se expor, ou seja, foi criado um novo canal de comunicação, mas também de exposição da pessoa. 

Em Filosofia Clínica temos um tópico, assim como um submodo, que são chamados de Expressividade. De forma sucinta, Expressividade é a parte da clínica filosófica que se ocupa em saber o quanto de mim está naquilo que comunico. Relacionando a febre das redes sociais e a expressividade pode ser proposta a questão: quanto daquilo que é postado no Facebook realmente representa quem você é? Quando uma pessoa posta seu conteúdo ela pode ou não estar falando muito de si mesma, algumas pessoas apenas encontraram neste site uma maneira de construírem a sua verdadeira “Face”. 

Muitos ao serem interpelados em torno do que postam, curtem, comentam ou compartilham dizem ser apenas brincadeira. Mas, seria interessante pensar o quando sua “Face” pode ficar evidente para quem nunca te viu. Você pode dizer que aquilo que se encontra no seu Facebook não é você, mas quem não conhece e avalia pelo que é postado, curtido, comentado ou compartilhado pode não achar a mesma coisa. Pense que postar seria o mesmo que dizer, pintar, cantar, ou seja, comunicar a uma outra pessoa seus conteúdos. No Facebook se comenta para centenas. Veja que interessante, tudo o que você disser pode ser usado contra você por centenas de pessoas de uma forma facilitada, pois está documentado.

Além de se postar, que seria o equivalente ao falar, ainda se pode curtir, ou seja, aprovar o que outras pessoas postam. Assim, ao curtir você está dizendo que aprova, que é isso mesmo, que é legal. Nos comentários, cada um coloca claramente sua opinião. Por fim compartilhar, sendo que muitas pessoas não têm a menor ideia do que isso quer dizer: compartilhar que dizer fazer parte daquilo. A atitude de compartilhar é dizer que aquilo que a pessoa postou também está em você e você oferece isso aos outros, ou seja, o que você compartilha pode ser a sua “Face” diante dos seus “amigos”. Por: Rosemiro Sefstrom

Postar um comentário