sexta-feira, 28 de novembro de 2014

VIVER NÃO É PRECISO

Há alguns dias conversava com uma pessoa quando ela citou-me Fernando Pessoa, dizendo uma de suas célebres frases: “Navegar é preciso; viver não é preciso”. Por muito tempo me detive no poema e pensava que o autor dizia, como fala na frase logo abaixo do poema que viver não é necessário, mas criar. No entanto, neste dia, a pessoa com quem conversava se referiu a um outro sentido para a mesma frase. O que mais achei interessante foi que não foi necessário mudar se quer uma palavra para darmos um sentido totalmente novo a frase. Apenas trocarmos o preciso de necessidade, ou seja, aquilo que precisamos para alguma coisa por objeto de uso para preciso de precisão. Assim, o preciso que era necessidade se torna o preciso de acerto, metodologia que garante um resultado. 

Depois dessa troca de significado da palavra começamos a divagar a respeito da precisão da navegação e da vida. Para isso perguntei-lhe se a vida não era precisa, ou seja, exata. Ao que me respondeu com um grande sorriso: “Não, como poderia, a vida é cheia de inexatidões, voltas e revoltas!” No entanto a mesma pessoa que se referia a vida de uma maneira tão aberta, livre era a mesma que pensava e vivia muitas verdades lineares.

Junto com ela muitas outras pessoas pensam na vida como um lugar de liberdade e escolhas, mas na realidade fazem da vida uma encenação onde palco e roteiro já estão definidos. Algumas vezes ouvi o discurso que se segue como testemunho de um roteiro: “Com tantos anos iniciei minha vida escolar, portanto, quando eu tiver com tantos anos devo estar na faculdade e assim, com tantos anos devo ter o mestrado. Bom, não posso esquecer da vida pessoal. Quando estiver na faculdade vou arrumar uma namorada (o) e provavelmente logo depois da formatura faremos o casamento. Dois anos de casado teremos filhos e organizaremos o planejamento de como será nossa velhice...”

Não há problema nenhum em planejar, orientar a própria vida ou até mesmo esquadrinhar as possibilidades de futuro, mas tornar-se refém de um planejamento... para a navegação a precisão é o que garante o destino correto. Mas, quanto a nossa vida, temos como garantir que nossa bússola aponta para a direção certa? Não temos nenhuma dúvida? Não há a possibilidade de errarmos no caminho? Não são poucas as pessoas que nos dias atuais sofrem porque não são o que planejaram ser, mas nunca pensaram se não são o que deveriam ser. Será que não estamos no lugar e na hora em que deveríamos estar?

A precisão matemática é importante para lidarmos com números, proporções, economia, geografia, mas na vida...
Por: Rosemiro A. Sefstrom  Do site: http://rosemirosefstrom.blogspot.com.br/
Postar um comentário