segunda-feira, 3 de novembro de 2014

LÍDER DE DIREITO E LÍDER DE FATO

O termo Direito pode ser entendido de diversas formas. A definição mais comum pode ser encontrada na internet, citada como a palavra que deriva do latim directus que significa: “que segue regras pré-determinadas ou um dado preceito”. O Direito se divide em muitas áreas, e cada uma delas tenta ajustar as relações para que cada um cumpra o seu papel sem ferir ao outro. Em casos onde uma pessoa ou instituição vai além dos seus limites e acaba por ferir uma pessoa ou outra instituição, o Direito entra como mediador para reparar ou penalizar quem passou dos limites. O outro termo citado é Fato, o qual também tem muitas traduções e a depender do seu uso pode ser significado de modos diferentes. Fato é entendido como algo evidente, ou seja, que pode ser verificado na prática. Você está vivo, isto é Fato, pode ser verificado por saber que está lendo este artigo.

Depois de um bom tempo de pesquisa em Filosofia Clínica no ambiente organizacional, verifica-se que os líderes podem ser divididos em apenas dois tipos: os líderes de Direito e os líderes de Fato. Um líder de direito é aquele designado pela organização para desempenhar o papel de gestor de pessoas e processos em uma área específica da organização. A palavra direito quer dizer que cabe a ele organizar as pessoas de modo que cada uma cumpra o seu papel sem ferir o outro com quem trabalha. Um líder de direito é organizacionalmente instituído, recebe um salário diferenciado para exercer sua liderança, tem cor de uniforme diferente e crachá. O direito de liderar foi adquirido de acordo com os requisitos estabelecidos pela organização.

Diferente do líder de direito existem os líderes de fato, que são aqueles que naturalmente tomam o controle da situação e começam a gerir pessoas e processos. Este tipo de líder surge de diversas formas e por diversos motivos. O que se sabe é que eles têm a capacidade envolver as pessoas e direcioná-las criando nelas um espírito de coletividade. Diferente do líder de direito, o líder de fato não é organizacionalmente instituído, não recebe salário diferenciado, não tem cor de uniforme diferente, nem nome em crachá diferenciado. O fato de liderar foi conquistado de acordo com os requisitos necessários para agregar as pessoas em sua volta, requisitos estes que são diferentes para cada organização.

O melhor dos mundos é quando uma organização consegue ter um líder de Direito que também é líder de Fato. Um líder de fato é aquele que consegue impregnar nas pessoas que estão ao seu redor o seu estilo de vivenciar a organização. Assim, um líder de fato que tem como ponto forte a ligação com as pessoas, tende a formar uma equipe onde as pessoas são o ponto mais importante. Já um líder de fato que tem como ponto principal os resultados, formará uma equipe onde os resultados se sobrepõem ao restante das questões. A liderança exercida de fato é muito mais do que orientar as pessoas de acordo com os interesses da organização: trata-se da capacidade em fazer com que as pessoas que estão ao seu redor tenham o mesmo padrão de comportamento.

De forma grosseira um líder de fato consegue tracionar a Estrutura de Pensamento das pessoas com quem trabalha para que tenham, em linhas gerais, uma mesma estruturação. Essa estruturação formada a partir da Estrutura de Pensamento do líder em contato com as pessoas é o que chamamos de Estrutura de Pensamento Coletiva. Quando uma organização tem um líder de direito e as características do grupo abaixo desta liderança não correspondem ao seu “jeito de ser” é porque, provavelmente, existe um líder de fato que está direcionando as pessoas e formando a Estrutura de Pensamento do grupo.
Por: Rosemiro A. Sefstrom Do site: http://rosemirosefstrom.blogspot.com.br/
Postar um comentário