quinta-feira, 24 de abril de 2014

EU SOU O MEU PARADIGMA!

É difícil quem ainda não ouviu falar da palavra “paradigma”, principalmente se estiver na área acadêmica. Ela se tornou moda na década de noventa, e em muitos lugares continua sendo muito utilizada. Paradigma é uma palavra que designa modelo. Um modelo é uma representação a ser seguida, ou seja, uma visão de mundo que servirá de modelo. Inicialmente, a palavra paradigma era utilizada apenas para designar um modelo no que diz respeito à gramática. O uso se dava no sentido de mostrar uma relação específica estrutural entre os elementos da linguagem. Isso segundo Ferdinand de Suassure.


Mas a visão que mais me chamou atenção a respeito do que quer dizer paradigma foi a visão de Thomas Kuhn, filósofo estadunidense. Diferente de Suassure, Kuhn utilizou o termo paradigma, com uma nova definição, para designar o trabalho da ciência na produção do conhecimento. Para o filósofo, o termo descreve um modelo elaborado a partir de uma série de pesquisas e debates que servem mais como uma forma de criar escolas do que de resolver as questões. O modelo de visão paradigmático elaborado por cada escola se apresenta como uma possibilidade de ver e também de entender os problemas do mundo. Um paradigma, então, não é uma possibilidade de resolução de um problema, mas um novo modelo de estruturar o problema.

Ao longo da história da humanidade, cada instituição procurou elaborar um modelo estrutural de homem, e a partir deste modelo elaborou as suas questões. O modelo de homem elaborado pela religião é de que ele é filho de Deus e por isso deve se direcionar a Deus para encontrar a salvação de sua alma. Na ciência, o homem é um corpo e deve cuidar deste de maneira que possa viver mais e melhor. Já a psicologia entende o homem como um ser dotado de uma psique e esta tem um modelo que pode diferenciar o normal do doentio. Não é de estranhar que um médico, o qual cuida do corpo, pense que todos os males sejam de origem física, este é o modelo que ele tem. O mesmo serve para cada uma das áreas. Vale lembrar Pitágoras, para quem tudo era número.

Segundo Thomas Kuhn, as ciências elaboram paradigmas para as máquinas, para o mundo e, a partir deles estudam os problemas. Para as coisas, talvez um modelo possa ajudar na compreensão, mas como entender o ser humano a partir de um modelo? Pense em você mesmo: se você escrevesse um livro dizendo como é o ser humano, o que é certo, errado, bom, mau, como seria este livro? É interessante pensar nisso, pois geralmente ouvimos um autor, filósofos ou marqueteiros falando e apenas pela forma eloquente com a qual ele fala, acreditamos realmente que ele está certo.

Imagine se homens como Rousseau tivessem razão: para ele, o homem é bom e a sociedade o corrompe. Quem leu seu livro percebe que ele é muito convincente. Posso também citar como exemplo Thomas Hobbes, para quem “o homem é o lobo do homem”. Há um mais antigo, Sócrates, para o qual o homem só fazia coisas erradas porque não sabia que era errado.

Proponho uma visão diferente, onde eu seja o paradigma de mim mesmo. Na Filosofia Clínica eu construo o paradigma do outro por ele mesmo, através de sua história de vida. Não há bom ou mau, certo ou errado, mas uma série de conteúdos e movimentos que formam o paradigma que cada um é em si mesmo. Eu sou o meu paradigma.
Por: Rosemiro A. Sefstrom Do site: http://rosemirosefstrom.blogspot.com.br/


Postar um comentário