sábado, 5 de abril de 2014

COMPOSIÇÃO

Tirar fotografias é um hobbie que faz parte da vida de muita gente. Nos dias de hoje com o advento da tecnologia fotográfica muitas pessoas têm acesso ao equipamento, desde os mais simples embutidos em um celular até os profissionais. A primeira fotografia conhecida veio ao mundo pelas mãos do francês Joseph Nicéphore Niépce em 1826, lembrando que a invenção da fotografia não pode ser atribuída a Joseph, pois foi um longo processo que envolveu muitos outros pesquisadores. As primeiras fotografias necessitavam de mais ou menos oito horas de exposição à claridade para que se pudesse obter a imagem no papel. Há pouco tempo ainda era necessário fotografar e esperar pela revelação para ver se o efeito esperado apareceria no papel. Muitas vezes a tão esperada foto “queimava”.


Por mais que seja fácil fotografar, produzir um bom material já não é tão simples. Existem algumas regras que fazem com que o resultado seja agradável aos olhos e não apenas um registro do momento. A primeira regra básica é preencher os espaços, basta olhar fotografias consagradas e podemos perceber que não aparecem espaços vazios, o assunto que interessa preenche o espaço. Uma segunda regra é perceber se o fundo tem a ver com o tema principal, observar se as cores, formas e claridade estão de acordo com o assunto mais importante da foto. Outra dica interessante é planejar com antecedência, é necessário ao fotógrafo criar o ambiente da fotografia, observar os elementos e dispô-los de maneira a produzir o efeito desejado. Por fim recomenda-se enquadrar bem, perceber se o tema da foto não está muito longe, muito perto, se está de acordo com o que propõe a temática.

Em nossa vida o dia-a-dia não está muito longe de uma fotografia, observe. Por exemplo, sua esposa pergunta como foi o seu dia, ou seja, de tudo o que você viveu ela espera de você em algumas palavras uma composição. Como a pergunta foi pelo seu dia, o tema é livre, pode falar do trabalho, do almoço, do caminho até o trabalho, dos pensamentos, enfim. Como o seu dia tem muitas coisas você vai escolher algo para ser o seu tema, o elemento que vai preencher sua narrativa. Deste modo, você pode contar os horríveis buracos que têm na Avenida Centenário na Próspera e utilizar como fundo o bom dia de trabalho que teve. Pode ainda usar como tema o belo dia que teve e usar como fundo o projeto de um passeio no fim de semana. O tema que você escolher vai determinar com o que você está entrando em contato, alimentando-se, compondo.

O fundo do dia-a-dia de cada um é diferente. Para alguns o tema é a grande história de amor que vivem, mas usam como pano de fundo dívidas, brigas, traições. Parece estranho, mas usam elementos que não combinam numa mesma foto, percebem que não está legal, mas não entendem exatamente o quê. Há casos ainda em que a pessoa vive uma terrível depressão e usa como pano de fundo os filhos na faculdade, o marido em um bom emprego. O fundo não combina com o tema principal, a composição pode gerar ansiedade, confusão. Lembrando que o tema é aquilo com o que você entra em contato, o fundo são as condições em que isso acontece.

Planejar com antecedência é selecionar o que vai entrar e o que vai ficar de fora da minha fotografia. Eu posso incluir na minha fotografia os buracos da Avenida Centenário lá na Próspera, assim como posso incluir os pergolados da Praça Nereu Ramos. O que é tema e fundo, eu posso definir, não preciso ser refém dos elementos, posso compor com eles. Já enquadrar bem, isso seria colocar o tema central na posição que ele merece, no terço que lhe cabe no cenário planejado. A composição narrativa do seu dia para a sua esposa mostra com quais elementos está compondo a sua vida.
Por: Rosemiro A. Sefstrom Do site: http://rosemirosefstrom.blogspot.com.br/


Postar um comentário