terça-feira, 12 de novembro de 2013

A NATUREZA DAS COISAS

Aristóteles discerniu, 23 séculos atrás, algo que nossa sociedade tenta esquecer: há uma ordem no universo, englobando tudo o que existe. Em outras palavras: as leis da física, da química, da política e da moral são apenas aspectos de uma ordem muito maior em que estamos todos inseridos, do homem mais sábio à partícula subatômica mais distante.

O modo como nos inserimos nesta ordem é o da nossa natureza; o cachorro é essencialmente diferente da samambaia, que é diferente do homem. Cada um desses seres tem uma natureza distinta. Essa natureza é ineludível; é impossível transformar um homem em cachorro ou um cacto em um gato. Só é possível, ainda que daninho, negar temporariamente um ou outro aspecto de uma natureza; é o que se faz quando se tranca um cão (e se o enlouquece!), negando o gregarismo da natureza canina.

Nossa sociedade é tão useira e vezeira em fazer este tipo de coisa que acaba se convencendo de que as naturezas não existem. Faleceu há pouco tempo um senhor que fizera operações plásticas sucessivas até adquirir uma aparência supostamente felina. Nasceu homem e morreu homem, todavia; qualquer gato que o cheirasse não teria dúvida disso.

Mas vivemos sob luzes artificiais, em ambientes em que o cinza predomina, comendo coisas que vêm em caixinhas com códigos de barra, sem jamais tocar os pés nus na terra úmida de orvalho, sem ter consciência das fases da lua (mesmo as mulheres, tão intimamente ligadas a ela, frequentemente não se dão conta de como variam seus ciclos hormonais).

É nesta artificialidade do nosso modo de viver que vêm as negações mais radicais da natureza humana: os comunistas e nazistas, no século passado, mataram milhões de inocentes em tentativas naturalmente frustras de criar um Novo Homem. E ainda há, entre nossos poderosos, quem não tenha desistido.

Alguns se especializam em devaneios ligados à sexualidade, tentando reduzir o que é essencialmente um sistema reprodutivo a seus incentivos sensíveis acidentais, como se a degustação de chicletes fosse o mesmo que a nutrição. Outros, ainda, negam a agressividade humana e se dedicam à impossível tarefa de “recuperar” sociopatas ou, pior ainda, de pregar que eles seriam as verdadeiras vítimas, por não terem tido colinho, todinho ou carrinho. Para estes, as palmadas devem ser proibidas e as cadeias, fechadas.

Estão todos cegos para o essencial: a natureza humana não é um construto social, mas algo dado que nos cabe viver dentro da ordem de todas as coisas. Só assim se pode ter uma sociedade sã.

Por: Carlos Ramalhete professor.

Publicado no jornal Gazeta do Povo.
Postar um comentário