terça-feira, 2 de outubro de 2012

AS AVÓS, ESSAS GOSTOSAS


Já disse e repito: cem anos atrás se fazia sexo mais e melhor do que hoje. Talvez a culpa desta minha obsessão pela vida sexual antiga seja das minhas avós.

Minha avó materna casou grávida em mil novecentos e bolinha, trabalhou como uma dessas telefonistas sensuais no começo século 20, e falava de sacanagem até os cem anos de idade, e meu avô foi louco por ela até o fim da vida. A paterna foi a primeira (ou uma das primeiríssimas) sufragistas do Brasil, fazendo um recurso ao Poder Judiciário em 1928 pedindo direito ao voto.

Sendo assim, descendo de uma linhagem direta de avós que fundaram a emancipação feminina no Brasil, naquilo que importa: na cama e na urna.

Há 100 anos se fazia sexo mais e melhor do que hoje. Claro, esta é uma afirmação não científica, aviso aos especialistas em estatísticas comparativas da atividade sexual nos últimos 5.000 anos.

Mas como dizia o personagem do subsolo do "Memórias do Subsolo", de Dostoiévski, acreditar na ciência é uma forma de superstição. Não sofro da superstição de crer em demasia nas ciências humanas.

Mas voltando ao que eu queria dizer mesmo, tampouco sofro de outra superstição: não creio na revolução sexual. Melhor dizendo: creio sim na pílula anticoncepcional e no Viagra. O casal "cor de rosa e azul" que fez pelo mundo muito mais do que 200 anos de marxismo.

Aliás, às vezes, em dias depressivos, sou atormentado pela ideia de que o marxismo nunca vai acabar, e aí tomo outras pílulas essenciais, as que combatem este mal imortal da alma, a melancolia.

Sou um tipo basicamente superficial, acho que a psicofarmacologia é o caminho mais curto para resolver os dramas da alma. Mas, minto: nem por isso deixo de crer que uns 30 anos de análise fazem muito bem.

Antes da pílula, as meninas de classe social mais alta, digamos, as colegas da escola, tinham medo de ficar grávidas, por isso praticavam largamente apenas sexo oral e anal. Uma festa. As pobres sempre fizeram de tudo, mesmo porque, como se dizia, uma barriga de um rapaz rico pode garantir uma vida.

A "questão do sexo anal feminino" só nasceu depois da pílula, porque antes era comum como beber água. Agora, os especialistas discutem se sexo anal é saudável e satisfatório para as mulheres. Antes da pílula esta discussão soaria como se é saudável e satisfatório respirar.

O efeito da pílula criando a "ciência do sexo anal feminino", isto é, fazendo do sexo anal feminino uma "questão", é semelhante ao efeito dos cursos de espanhol no Brasil. Absurda comparação? Nem tanto, vejamos.

Antes desses cursos, ninguém achava espanhol uma "língua estrangeira", na universidade todo professor dava texto em espanhol e nenhum aluno gemia. Agora, depois do Yázigi inventar curso de espanhol, o espanhol virou "língua estrangeira". Depois que a pílula libertou o útero da mulher, sexo anal feminino virou uma "questão".

Para mim, a revolução sexual é isso: alguns fatos concretos que as ciências "duras" criaram, e um monte de blá-blá-blá que surgiu a partir daí.

As avós desfilavam o pudor como acessório de sensualidade, com sua cinta liga, sua combinação e lingerie cotidiana. Hoje, mulheres peladas da cabeça aos pés desfilam sua obviedade nua, gritando que são "livres" e não santas ou putas, esquecendo-se que as santas e as putas é que são as mais gostosas.

Mas a ignorância sobre sexo é típica dos especialistas "fundadores" da moderna ciência do sexo.

Bobagens como as ditas pela antropóloga Margaret Mead acerca da adolescência "sexualmente livre e saudável" da enorme e significativa população de Samoa levaram muita gente a crer que basta deixar a moçada transar muito desde os 11 anos que tudo ficará bem.

Outro exemplo é Alfred Kinsey e sua afirmação de que os constrangimentos impostos à vida sexual são a causa de todo sofrimento humano. Para ele, não deveria existir "fronteiras" para a atividade sexual humana.

Gente assim pensa que o único problema de fazer sexo com galinhas seja o fato de não ser consensual. Risadas?

Que nossas avós nos perdoem por sermos tão ridículos.

Por: Luiz Felipe Pondé, Folha de SP
Postar um comentário