sábado, 9 de agosto de 2014

CONTROLE

Ao longo do tempo o homem foi criando uma sensação cada vez maior de controle, onde ele consegue prever, planejar e dominar o que está ao seu redor. Uma das primeiras civilizações a lidar com o controle foi a civilização egípcia, estes controlaram as cheias do Rio Nilo e a partir disto construíram o Egito. Tempos depois vieram os gregos, estes também fizeram grandes proezas na área da engenharia, assim como os romanos. No entanto o destaque está para o período que conhecemos por Renascimento, momento em que o homem avança para a ciência. É a partir da ciência que o homem avança para uma época onde tem ele a sensação de pleno controle, acredita ser mestre do acaso.

Esta sensação de controle a partir da ciência fez com que o homem avançasse para questões como o conhecimento próprio e se fechasse terminantemente ao desconhecido. Tudo o que gira em torno do desconhecido foi legado à religião, misticismo ou pura ficção. Poder controlar o que está ao seu redor dá ao homem a impressão de que ele é imprescindível para que as coisas aconteçam. Agora o homem vê a si mesmo como necessário no mundo, percebe-se como responsável pela vida e pela morte. Avançando para o dia a dia, pode-se dizer que muitos pais de família tratam sua família como se ele fosse o centro e se nada acontecesse em sua ausência e sem sua anuência. No entanto a esposa que este homem tem a impressão de controlar pode abandonar o casamento, ir embora. O filho para quem planejou o futuro e controla todos os passos pode tornar-se usuário de um entorpecente qualquer e não ter o futuro planejado.


A ideia de controle nasce com o alvorecer do pensamento científico e anula a abertura do homem para a amplidão que está a sua volta. Um empreendedor quando cria sua empresa criou algo que, logo após criado, tem vida própria, tem suas necessidades que precisam ser atendidas. Quando um casal constrói uma casa, ela tem a grama que precisa ser aparada, o portão que enferruja, a lâmpada que queima, a torneira que pinga, a pintura que precisa de reparos. Uma vez criada, a casa pede começa ganha vida e exige alguns cuidados. Até onde se pode controlar o que a empresa ou a casa vai precisar? Por mais criterioso que seja o planejamento, não há como controlar tudo. A maior parte das coisas que está ao nosso redor não pediu permissão para estar viva e ainda assim vive.

Saber-se apenas uma pequena parte deste universo e pode abrir os olhos para o que está ao redor. Ao sair pela manhã e entender que filho, esposa, casa, empresa têm vidas próprias e que sabe-se apenas parte de cada um deles mostra que o universo é muitos mais do que o que cabe em nossa agenda. Meu mundo é apenas um dos mundos possíveis, e isto somente será percebido se houver abertura para conhecer outros mundos. Abrir mão do controle é justamente abrir-se para as possibilidades existentes em outros mundos. Ter as rédeas nem sempre significa conhecer o que se tem nas mãos, em muitos casos ao invés de guiar é preciso deixar-se guiar para chegar a algum lugar.
Por: Rosemiro A. Sefstrom   Do site: http://rosemirosefstrom.blogspot.com.br
Postar um comentário